Notícias

Brasileiras fazem uma cirurgia de aumento de mama a cada 5 minutos

Tamanho do silicone deve considerar largura do tórax e dos ombros.
Saiba os cuidados necessários na anestesia, cirurgia e no pós-operatório.

A lei da gravidade é implacável também com os seios femininos, e uma hora eles caem. Muitas mulheres recorrem às próteses de mama, que exigem alguns cuidados na anestesia, na cirurgia e no pós-operatório.

O Bem Estar desta terça-feira (8) falou sobre como é feita a escolha do tamanho mais adequado para cada mulher, de quanto em quanto tempo é preciso fazer a troca, e a interferência do silicone na amamentação e em exames como a mamografia – que é nula, desde que bem feito.

Silicone (Foto: Arte/G1)

O silicone não serve só para aumentar a mama, mas também para modificar a forma e corrigir eventuais irregularidades, como assimetrias (que atingem 30% das mulheres).

Aos 18, 19 anos, os seios param de crescer. Se eles caírem, existe cirurgia, que não precisa incluir silicone.

As próteses de mama foram criadas nos anos 1960 por um cirurgião inglês e, na época, eram mais duras e redondas, feitas de silicone líquido e material sintético. Até o início dos anos 2000, os modelos mais vendidos não chegavam a 200 ml. Hoje, os mais pedidos e usados são os de perfil alto e 300 ml. E há também os implantes ajustáveis.

O maior problema, em geral, é uma rejeição do organismo da mulher. Por isso, a cirurgia precisa ser feita com um profissional qualificado.

Os seios são basicamente formados de músculos, tecido mamário e gordura no meio. Uma mama pequena pesa cerca de 200 g, uma média 300 g e, a partir de 400 g, ela é considerada grande, de acordo com o ginecologista

Cuidados no pós-operatório
Pode haver dor nos primeiros dias, ainda mais com movimentação dos membros superiores, o que é controlado com analgésicos. É recomendado um sutiã de maior contenção das mamas.

Fazer ginástica só é permitido a partir de um mês, com consentimento médico. Membros superiores não devem ser trabalhados. Com o aumento abrupto das mamas, as estrias pré-existentes podem se tornar mais salientes.

SUS
Segundo o Ministério da Saúde, em 2010 foram realizadas 1.704 cirurgias de plástica mamária pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o que representa mais que o dobro do total de 2007 (786). O governo investe cerca de R$ 1,5 milhão por ano para o custeio desse tipo de atendimento.

A cirurgia é indicada para os seguintes casos:

– Reconstrução da mama após diagnóstico de câncer (pós-mastectomia com implante de prótese)
– Filarioses (doença parasitária em que um dos tipos é conhecido como elefantíase ou filariose linfática)
– Lipodistrofia na região da mama (distribuição anormal da gordura corporal)
– Hipertrofia (aumento) da mama
– Ausência congênita dos seios
– Outras malformações congênitas da mama
– Queimadura de terceiro grau e/ou sequelas de queimaduras

Vale lembrar que essa é uma cirurgia indicada não apenas às mulheres – os homens também podem fazer plástica mamária pelo SUS em casos de lipodistrofia e hipertrofia.  A lipodistrofia atende, ainda, pacientes com HIV, pois o uso de antirretrovirais pode resultar no problema.

Fonte:http://g1.globo.com

Bem vindo inverno!!!!

angelo loss

angelo loss

Feliz Dia dos Namorados!!!!!

angelo

angelo

Feliz Dia das Mães!

Angelo_Loss_Cirurgia_Plastica_Dia_das_Maes

Angelo_Loss_Cirurgia_Plastica_Dia_das_Maes

Dia do Trabalhador!

Angelo_Loss_Cirurgia_Plastica_Dia_do_Trabalhador_1

Angelo_Loss_Cirurgia_Plastica_Dia_do_Trabalhador_1

9 tratamentos para melhorar a aparência da região íntima

aparencia-da-vagina-aparencia-da-vulva-tratamentos-tratamentos-esteticos-cirurgia-intima-1482236736649_v2_900x506

Pele escurecida, tamanho dos grandes e dos pequenos lábios, do clitóris e do monte de vênus. São muitos os motivos que levam mulheres aos consultórios de cirurgiões plásticos e dermatologistas para melhorar a aparência da vulva, região que compreende toda a genitália feminina, incluindo a vagina (embora a grande maioria da população se refira a todo esse conjunto como a vagina, vale reforçar que ela é o canal interno do órgão sexual feminino e parte do aparelho reprodutor).
O UOL conversou com cirurgiões plásticos e dermatologistas para conhecer quais são os tratamentos que podem ser realizados por quem quer deixar a área íntima mais bonita:
Laser
O laser estimula a produção de colágeno, ajudando a clarear a pele. Na área externa, utilizamos o laser fracionado. Ele provoca pequenos ‘furinhos’ na pele, estimulando a produção de colágeno e, com isso, melhora o aspecto da pele deixando-a mais clara.
Radiofrequência
Os aparelhos de radiofrequência liberam uma energia diferente da do laser para deixar a região íntima mais clara. As ponteiras do aparelho encostam na pele e massageiam toda a área com movimentos circulares, dos grandes aos pequenos lábios. O objetivo é melhorar a rigidez da pele, que, muitas vezes, fica flácida com o passar da idade. O tratamento libera calor e estimula a produção do colágeno na região.
Labioplastia ou ninfoplastia
Conhecida como correção da hipertrofia dos pequenos lábios, a labioplastia é o tipo de cirurgia íntima mais realizada no Brasil. Esse aumento dos pequenos lábios faz com que as pregas de pele, que deveriam ficar na parte interna da vulva, fiquem expostas. Isso dá o aspecto de pele sobrando e flacidez, o que constrange muitas mulheres, principalmente na hora do sexo ou quanto colocam uma calça mais justa. O procedimento cirúrgico é simples e feito com anestesia local e sedação. Ele leva cerca de 40 minutos e a paciente é liberada no mesmo dia. A maioria opera na sexta e já volta a trabalhar na segunda-feira. O que deve ser evitado são banhos muitos quentes. A relação sexual é liberada apenas depois de um mês.
compartilhar
Preenchimento com ácido hialurônico ou gordura
Esse tipo de procedimento tem sido feito com frequência por conta da atrofia vulvar que acontece com as mulheres quando elas passam dos 35 anos. Durante o processo de envelhecimento, há uma queda nos níveis hormonais e a vulva vai perdendo o volume e elasticidade. Para aumentar o volume, tanto dos grandes quanto dos pequenos lábios, o preenchimento pode ser feito de duas maneiras: com ácido hialurônico ou com gordura. Enquanto o primeiro age de forma temporária para melhorar o aspecto estético da região, o segundo é definitivo e feito com a própria gordura do corpo, diminuindo riscos de rejeição.
compartilhar
Lipoaspiração do monte de vênus
Consiste na redução da região que fica acima do púbis, onde ficam os pelos. Essa é aquela gordurinha que se acumula e acaba marcado na calça, constrangendo muitas mulheres. Na maioria dos casos, é retirada com uma lipoaspiração. O procedimento também é de baixo risco e, para ser realizado, a paciente é sedada e recebe anestesia local.

FONTE.

Feliz Páscoa!

Angelo_Loss_pascoa

Angelo_Loss_pascoa

7 de Abril, Dia Mundial da Saúde!

Dia_Mundial_da_Saude_Angelo_Loss_Cirurgia_Plastica_Rio_de_Janeiro

Dia_Mundial_da_Saude_Angelo_Loss_Cirurgia_Plastica_Rio_de_Janeiro

Homens superam “tabu” e procuram mais Cirurgias Plásticas

Cirurgia_Plastica_Angelo_Loss_Rio-de-Janeiro

Quem pensa que cirurgia plástica é coisa só de mulher está enganado. De acordo com um levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), em 5 anos a busca de homens por procedimentos cirúrgicos quadruplicou no Brasil, passando de 72 mil para 276 mil ao ano, uma média de 31,5 procedimentos por hora.
Ainda de acordo com o levantamento realizado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, os procedimentos estéticos, mais procurados entre os homens, varia de acordo com a idade.
Na infância até juventude a otoplastia (correção das orelhas em abano) é mais comum. Já na faixa de 20 a 30 anos, a procura fica entre a ginecomastia (cirurgia para correção das mamas masculinas) e a rinoplastia (plástica no nariz), além da otoplastia. De 30 a 40 anos, os homens se interessam mais pela lipoaspiração, lipoescultura e implantes capilares, este último também entra na faixa de 40 a 50 anos. A blefaroplastia (cirurgia nas pálpebras) é bastante requisitada por homens com idades de 50 a 60 anos. Acima de 60 anos, a ritidoplastia (lifting facial ou tratamento cirúrgico das rugas do rosto) é a campeã de pedidos.

fonte.

Cigarro não combina com Cirurgia Plástica

Angelo_Loss_Cirurgia_Plastica_Rio_de_Janeiro

1- Fumar compromete a função cardiovascular e pulmonar, aumentando os riscos durante e após o procedimento.

2- Os pulmões dos fumantes não respondem da mesma forma que os de não fumantes à anestesia, o que aumenta os riscos.

3- Fumantes tem processo de recuperação mais longo e a cicatrização é prejudicada.

E então, já largou este vício? Se você está planejando se submeter a um procedimento aproveite a oportunidade e deixe esse hábito de lado!

FONTE.

O Outono Chegou!

Cirurgia_Plastica_Angelo_Loss_Outono

Feliz Dia da Mulher!

17016787_645162205675170_102260015206229005_o

Cirurgia plástica para enxaqueca

mulher-com-mão-na-cabeça-enxaqueca

Assista a reportagem da TV Gazeta

ASSISTA AQUI

Benefícios da Cirurgia Plástica

centro-nacional-sao-paulo-cirurgia-plastica

Os benefícios da Cirurgia Plástica podem ir muito além da questão estética.

Diversos aspectos funcionais do corpo podem ser corrigidos ou melhorados por meio de procedimentos cirúrgicos realizados por profissionais devidamente capacitados.

Nunca se esqueça: Cirurgia Plástica também envolve riscos como qualquer operação!

Converse com seu cirurgião, tire dúvidas e informe-se da melhor forma possível para que sua segurança esteja sempre em primeiro lugar!

FONTE.

Bumbum à brasileira, mamas pequenas…

sutia

ESPECIALISTAS REVELAM TENDÊNCIAS DE CIRURGIAS PLÁSTICAS PARA 2017

Enquanto o busto deve diminuir, o derrière promete aumentar no mundo inteiro, garantem cirurgiões norte-americanos. Entre as mudanças esta também a opção pela anestesia local em detrimento da geral, propondo uma recuperação mais rápida

sutia

Bumbum maior, busto menor e procedimentos “rápidos” devem dominar o mundo da cirurgia plástica em 2017, segundo especialistas norte-americanos do The Plastic Surgery Group (TPSG). E se depender das preferências que apresentaram um crescimento significativo em 2016, o derrière à brasileira, cuja demanda aumentou 500% nos últimos meses, será a grande sensação.

A seguir, os cirurgiões dão detalhes do que vêm por aí…

MAMAS PEQUENAS
Quando o assunto é busto, as proporções devem diminuir como um todo – incluindo o tamanho dos mamilos. “Temos notado um crescimento de 30% de mulheres interessadas em diminuir o mamilo no último ano”, disse o cirurgião plástico Dan Marsh ao Daily Mail.

Tal redução vem acompanhada também do interesse por próteses menores. Se antes as mulheres optavam, em média, por silicone de 350 a 400ml; agora, o volume tem variado entre 250 e 300 ml. A mudança é reflexo do movimento que exalta a beleza com aspecto natural e acompanha a tendência de silhuetas atléticas e mais longilíneas.

BUMBUNS MAIORES
Enquanto a parte de cima diminui, a de baixo promete volumes maiores. O pedido mais popular de 2016, segundo os especialistas, foi pelo “bumbum levantado à brasileira”, que combina liposucção, contorno e aumento dos glúteos.

O aumento da procura tem relação com o boom de celebridades curvilíneas, como Beyoncé, Jennifer Lopez e irmãs Kardashian. No Brasil, os enxertos de gordura na área tem sido recorrente há décadas e, agora, deve impulsionar ainda mais a procura fora do país.

PROCEDIMENTOS EXPRESS
As cirurgias estéticas feitas sob sedação devem aumentar, já que hoje nove em cada 10 pacientes que se submetem a facelifts, optam por anestesia local. E é a preferência por este tipo de sedação que vem ganhando espaço e acelerando os procedimentos. Segundo os especialistas, na segunda metade de 2016, apenas um em cada 10 pacientes optaram por cirurgia sob anestesia geral. Até mesmo alguns tipos de aumento mamário têm sido realizados sob esta condição.

“Esta é uma mudança de paradigmas e tem mostrado benefícios em termos de segurança do paciente, conforto e recuperação”, diz Marsh. “De todas as cirurgias que realizei em 2016, menos de 10% dos meus pacientes permaneceram durante a noite no hospital após o procedimento.”

Fonte: MarieClaire

10 coisas que você precisa saber antes de cogitar fazer uma lipo

angelo-loss-dicas-lipoaspiracao

Muita gente sonha em se livrar de gorduras localizadas fazendo uma lipoaspiração, mas são poucos os que sabem, realmente, como ela é feita. A maior falácia, por exemplo, é a ideia de que a cirurgia ajuda a emagrecer. Tem interesse no procedimento? Veja 10 informações essenciais sobre a cirurgia:

  • Lipoaspiração não emagrece

    O procedimento não é indicado para obesos. A lipo serve para modelar o corpo, retirando gordura localizada, não para emagrecer. Se o paciente faz com essa intenção, a tendência é que a gordura retorne. E, pior de tudo, para uma região menos saudável, a intra-abdominal, que está mais relacionada a doenças, como infarto e AVC.

  • Há um limite da quantidade de gordura que pode ser retirada

    Há um decreto do CFM (Conselho Federal de Medicina) que estipula que os médicos só podem retirar até 7% do volume corpóreo total do paciente, o que já é bastante. Quer fazer lipo? Fale com o plástico sobre esse número.

  • A gordura retirada da cirurgia pode ser aplicada em outra região

    Os cirurgiões usam a gordura retirada numa lipo para corrigir irregularidades do corpo. Por exemplo, se a lipoaspiração é no culote, o médico pode enxertar a gordura no bumbum.

  • O resultado da cirurgia só aparece depois de três meses

    Dá até para ter uma noção do resultado da lipoaspiração no primeiro mês, mas o inchaço permanece. O resultado, mesmo, só será visto de três a seis meses após a operação. A cicatrização completa da cirurgia só acontece depois de dois anos.

  • É possível ganhar peso depois da lipo

    Além do inchaço, é possível ganhar peso depois da lipo. Nosso corpo sempre busca atingir um equilíbrio. Se ele está acostumado com uma certa quantidade de gordura, quando ela é eliminada, tenta recuperar. Por isso, o paciente deve ter orientação para controle alimentar e de atividade física no pós-operatório.

  • Se engordar, a barriga pode ficar estranha

    Muita gente volta a engordar depois de fazer a lipoaspiração. Quando isso acontece, normalmente, a gordura se acumula em todos os lugares que não foram submetidos ao procedimento, deixando a região do corpo desproporcional.

  • Você vai precisar fazer drenagem

    Após uma cirurgia, normalmente, há retenção de líquidos. Por isso, a drenagem linfática é necessária. Ela ajuda nessa eliminação, melhora a circulação sanguínea e alivia as dores pós-cirúrgicas.

  • A escolha do médico é o momento mais importante

    Tenha certeza de que o profissional escolhido tenha título de especialização. Consulte o número de inscrição no CRM (Conselho Regional de Medicina) do médico e busque o nome dele no site da SBCP (http://www2.cirurgiaplastica.org.br/).

  • A cirurgia deve ser feita preferencialmente em um hospital

    Não há uma regra estabelecida de quais são os locais onde a lipoaspiração pode ser realizada. No entanto, a maioria dos médicos opta por fazer em hospital, pela segurança do local em caso de complicações no procedimento. Sem dúvida, é a melhor alternativa.

  • Toda cirurgia tem riscos

    As tragédias acontecem, principalmente, por culpa de médicos não credenciados como cirurgiões plásticos. O procedimento é tecnicamente simples, mas, se feito por um profissional que não é qualificado, pode ocorrer a perfuração de algum órgão, como estômago e intestino, levando à morte. Além do mais, lembre-se: qualquer cirurgia oferece riscos.

Fonte: UOL

Atendimento em Niterói. Agende sua consulta!

Atendimento em Novo endereço

Atendimento em Novo endereço

,

Cirurgia plástica ajuda a aumentar autoconfiança, diz pesquisa.

123

123

A Fonte da juventude nunca foi encontrada, mas uma pequena porção de rejuvenescimento pode ser conquistada com cirurgias plásticas. Isso é o que diz uma pesquisa realizada pela Faculdade de Medicina da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos. Segundo os dados, 87% das pessoas que se submeteram a algum tipo de operação cosmética sentiram-se mais felizes com a imagem corporal em geral, além de ficarem mais satisfeitos com a parte do corpo que foi mudada. O levantamento foi feito apenas com mulheres, que afirmaram terem se tornado mais confiantes no trabalho e socialmente.

Os benefícios psicológicos que acompanharam a plástica estão sendo considerados como vantagem para manter-se ativo por mais tempo no mercado de trabalho, necessidade imposta em tempos de crise. A afirmação é do médico inglês Laurence Kirwan, ao site Female First, que publicou informações sobre a pesquisa. “Outro ponto importante é que as modernas tecnologias reduziram em muito os riscos de alguns dos mais populares procedimentos”, disse o especialista. Ele cita os liftings faciais como uma das operações mais populares.

“A beleza é algo difícil de ser definida, mas é imediatamente reconhecida. O cirurgião deve trabalhar a partir do interior do paciente, remodelando a moldura para destacar essa beleza”, disse Kirwan.
No entanto, o médico afirma que o aumento da autoestima não é realidade para pacientes, cujas expectativas não são realistas. “A cirurgia plástica ajuda a pessoa a sentir-se bem consigo mesma. Pode até mudar a percepção de alguém no meio social, mas não transforma ninguém em outra pessoa”, completa.

Fonte: TERRA

Feliz Natal e Próspero Ano Novo

thumb-angelo-loss

Feliz Natal e Próspero Ano Novo!!!!

natal-angelo-loss

natal-angelo-loss

7 de Dezembro. Dia do Cirurgião Plástico.

dr-angelo-loss-news

dr-angelo-loss-news

Série escalpelamento: dor e superação nos rios da Amazônia

1487400_228958023895116_815695005_n

 

1487400_228958023895116_815695005_n

SBCP PARTICIPA DE SÉRIE ESPECIAL SOBRE ESCALPELAMENTO

Luciano Chaves, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), participou da série especial da Rádio Senado, dividida em 5 capítulos. Chaves citou os mutirões de cirurgia plástica promovidos pelos cirurgiões solidários da SBCP para auxiliar as vítimas do problema.

Cinco relatos dramáticos. Cinco histórias de perseverança para lidar com as marcas de um acidente. Esse é o ponto de partida da reportagem “Escalpelamento: dor e superação nos rios da Amazônia”, produzida pela Rádio Senado numa série de cinco capítulos.

Acidente que ocorre principalmente nos estados do Pará e do Amapá, o escalpelamento é o arrancamento brusco do couro cabeludo (escalpo) depois que os cabelos da vítima se enroscam no eixo do motor do barco. Em alguns casos, o eixo leva outras partes da cabeça, como orelhas e sobrancelhas. Os hospitais da região recebem novos casos todos os anos, apesar das ações de prevenção.

Uma delas é a Lei 11.970, aprovada em 2009 pelo Congresso Nacional e que obriga a instalação de uma cobertura nas partes móveis dos motores das embarcações para proteger os ocupantes. A reportagem também destaca as iniciativas para ajudar as vítimas, como os mutirões de cirurgias plásticas e as casas de apoio para mulheres escalpeladas, que se submetem a um longo tratamento.

FONTE: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

Botox!!!!

15056338_589187844605940_199804930028966954_n

15056338_589187844605940_199804930028966954_n